Cinco rolês do ST pelos caminhos do Skate Rock

É com muita satisfação que anuncio a primeira colaboração para o blog. Do amigo Dudu Munhoz, grande fã de ST, ex-baterista da banda curitibana Pinheads (confira aqui o blog com a história do grupo) e, principalmente, um cara que manja muito de rock. Saquem só…

Rolê 1
Jim Muir foi o coração e a raiz do skate em Dogtown. Enquanto os Z-Boys competiam, Muir ficava atrás da cena, confeccionando shapes para os seus colegas. Feitos a mão, as tábuas de Muir eram as melhores, mais leves e resistentes.

Mike e o irmão Jim, parceria skate e música em foto clássica de Glen Friedman

Mike e o irmão Jim, parceria skate e música em foto clássica de Glen Friedman

Em 1976, ele começou a vender seus shapes sob o nome de Dogtown Skateboarding, colocando a marca no mercado. Seu irmão (seis anos mais novo), Mike Muir, levou o nome Dogtown para o mundo da música, com a banda Suicidal Tendencies.

Rolê 2
Sendo simplista, podemos dizer que Skate Rock é a música feita por skatistas ou para skatistas. Nasceu quando músicos que andavam de skate formaram bandas como Agent Orange, Minor Threat, Suicidal Tendencies, Big Boys e T.S.O.L.. Solidificou-se quando skatistas profissionais bastante conhecidos começaram a tocar música: Tommy Guerrero formou o grupo Free Beer, Steve Caballero o The Faction, Tony Alva o Skoundrelz (que contou com Mike Ball, um dos primeiros guitarristas do ST); e assim pipocaram bandas pelo norte da América como Agression, JFA e McRad.

No começo dos anos 80, o skate não estava mais tão vinculado ao surf como na época dos Z-Boys, já tinha vida própria, tinha um estilo, uma atitude, um tipo de roupa e de música preferida. Skatistas gostavam de punk/hardcore e punk rockers andavam de skate por diversão; esta simbiose estreitava os laços do skate com a música suja e rápida que estava sendo produzida na época.

O baixista Dee Dee, dos Ramones, na onda do Suicidal, em 1984

O baixista Dee Dee, dos Ramones, na onda do Suicidal, em 1984

Mas o gênero musical Skate Rock teve seu batismo oficial em 1983 quando Morizen Foche (vocalista do Drunk Injuns e fotógrafo da revista Thrasher também conhecido como MoFo) resolveu lançar o primeiro volume da Thrasher Skate Rock Tapes.

A Thrasher, fundada em janeiro de 81, já tinha consolidado a imagem rebelde, contestadora e “skate and destroy”. Lançando uma fita cassete por ano, a revista divulgava para seus leitores as bandas que de uma forma ou de outra tinham a ver com o skate.

Rolê 3
O vídeo da música Institutionalized (do primeiro álbum, auto intitulado) mostrava pela primeira vez o skate e hardcore na MTV.  Nele podemos ver o ainda imaturo skatista Natas Kaupas já dando uma pista de que seria um dos mais revolucionários de sua geração. Já na segunda versão de Institutionalized, o skate já apareceu de forma mais modesta.

ST e skate, muita coisa em comum

ST e skate, muita coisa em comum

Rolê 4
Mas foi em 1987, no segundo álbum Join the Army, que o Suicidal falou sobre skate de uma forma mais radical. Possessed to Skate é um emblema do skate rock. O vídeo da música também é clássico: um moleque (Mike Muir) aproveita que seus pais viajaram e convida todos os seus amigos para uma session de skate na piscina da casa.

Steve Caballero no clipe de Possessed to Skate

Steve Caballero no clipe de Possessed to Skate

Fácil de visualizar alguns notórios como Eric Dressen, Steve Caballero (com a camiseta  do Misfits), Tommy Guerrero e novamente Natas Kaupas (o colega de Mike na Santa Monica High School, desta vez vestindo um pitoresco shorts rosa).

Rolê 5
Jay Adams, um dos mais influentes skatistas de todos os tempos, foi um dos “suicidal dudes” originais. Era muito amigo de Mike Muir e foi um dos primeiros skatistas à integrar o bando que seguia o Suicidal Tendencies. Vale ressaltar que apenas o baterista Amery Smith realmente foi um skatista entre todos os integrantes do Suicidal.

O skatista Jay Adams, na época em que apavorava com os Cycos

O skatista Jay Adams, na época em que apavorava com os Cycos. Foto: Jennifer Finch

Em uma recente entrevista Mike Muir disse que ele foi a primeira pessoa a sair na capa da revista Thrasher (maio de 1987) sem ser skatista. Entratanto, não é verdade: Glenn Danzig (junho de 1986) e Chris Doherty (da banda Gang Green, fevereiro de 1986) apareceram nas capas da revista em edições anteriores.

A capa da Trasher com Mike

A capa da Trasher com Mike

8 Comentários

Arquivado em ST for Life

8 Respostas para “Cinco rolês do ST pelos caminhos do Skate Rock

  1. Valeu André!!
    Excelente o Dee Dee Ramone com uma camiseta do Suicidal em 1984!!!

  2. Caraca até o Dee Dee!!!!!
    Fiquei de cara também, eu sou fã dele hehe.
    Onde vc conseguiu essa foto? Tens ela em uma resolução maior?

    Valeus!

  3. Rodrigo Montana

    muita massa o texto! legal saber desses detalhes ligando skate e suicidal. abraço.

  4. marciocyco

    Parabéns ao Dudu e ao blog. Sensacional. Visito sempre. Stay Cyco!

  5. Folloni

    Finalmente comprei o livro do Monte Melnick e lá está a foto. Sou fã do Suicidal, mas sou fãzásso do Dee Dee. Manda a foto, André, por favor.

  6. Folloni

    Dudu, será que o cara do Gang Green não é/era skatista? Tem foto dele andando de skate na capa do disco ANOTHER CASE OF BREWTALITY.

  7. dude

    acho que o cara do gang green era skatista…
    mas tipo a gente.
    amador II esforçado.
    longe de ser um semi pro.
    mas posso estar errado.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s