Entrevista – Mike Clark

Mais um Cyco pintando no blog.  Depois de Louichi Mayorga e Amery Smith, é a vez de Mike Clark, em nova entrevista exclusiva.  Falei com Clark por email, depois de um pedido de contato à assessoria da banda. Enviadas as perguntas, uns dias depois vieram as respostas, há duas semanas.

O guitarrista passou a integrar o Suicidal em 1988, vindo de outra banda de Venice, o No Mercy, que havia contado com a camaradagem de Mike Muir pouco antes.  Sua primeira participação foi no álbum How Will I Laugh Tomorrow. De lá para cá, são mais de 20 anos com o ST – descontando o período de recesso.

Tanto tempo fez de Clark um símbolo do grupo tão importante quanto Mike Muir. Dá para dizer que ele é, atualmente, o fiel escudeiro do vocalista. Sempre paramentado com as marcas do ST, de uns tempos para cá é ele quem agita os fãs,  realmente representa a banda.

Sem contar, é claro, da categoria com o instrumento nas mãos. Desde o início atuando como segundo guitarrista, Clark é responsável por uma infinidade de riffs clássicos. Fez base para o lendário Rocky George e já algum tempo arrepia com Dean Pleasants.

Como já virou padrão, fiz uma tradução livre das respostas, publicadas também em inglês.

Onde você nasceu?
UCLA Medical Center, Los Angeles, California.

O ST tem uma forte relação com Venice e, principalmente, o skate. Você tem essa mesma ligação?
Eu cresci em Venice e skate toda a minha vida.
I was raised in Venice and skateboarded all my life.

Como você entrou para a banda?
Eu tive amigos com Mike Muir a maior parte da minha vida. Eu estava em uma banda chamada No Mercy, no meio dos anos 80. Nós precisávamos de um novo vocalista e Mike nos ajudou, cantando para nós. Nós acabamos fazendo um disco chamado Widespread Bloodshed. Isso foi ótimo. Infelizmente, a banda acabou. E felizmente, para mim, o Suicidal procurava um segundo guitarrista. Mike me chamou e eu estou na banda desde então.

Clark, com o papel vermelho no boné, ainda no No Mercy, na época do lançamento da coletânea Welcome to Venice

Clark, com o papel vermelho no boné, ainda no No Mercy, na época do lançamento da coletânea Welcome to Venice

I’ve been friends with Mike Muir most of my life. I was in a band called No Mercy in the mid 80’s. We needed a new singer, and Mike helped us out and sang for us. We ended up making a record with him, called Widespread Bloodshed. It was great. Unfortunately the band broke up. Fortunately for me, Suicidal was looking to add a second guitarist. Mike called me and I’ve been in the band ever since.

A banda sempre foi associada às gangues de Venice. Em algum momento, houve uma relação direta?
Em Venice, todos os skatistas, surfistas e membros de gangues se vestem muito parecidos. Nós estávamos todos dentro da cena surf e skate, e era assim que nós nos vestíamos. Quando você tem um grupo de pessoas que se parecem de certa maneira, as pessoas se assustam e supõem que é uma gangue. Nós somos o Suicidal. Nós somos de Venice.

In Venice, all the skaters, surfers and gangsters, all dress pretty much the same. We were all into the surf, skate scene and that’s how we dressed. When you get a bunch of people together, that look a certain way, people get scared and assume you’re a gang. We are Suicidal. We are from Venice.

Qual o seu melhor momento no ST? E o pior?
São muitos bons momentos. Muitos bons shows para escolher apenas um. Então eu apenas direi dessa última turnê na Europa. Alguns ótimos momentos no palco. Eu fico realmente orgulhoso dos meus colegas de banda. Eles são ótimos!
O pior foi quando nós encerramos nos anos 90. Eu não tinha certeza se nós voltaríamos juntos. Foi um tempo difícil, com certeza.

Mike, anos 90 style

Mike, anos 90 style

So many good times. So many good shows to count just one. So, I’ll just say this last tour in Europe. Some great moments on stage for me. I was really proud of my band mates. They were great!
The worst was when we broke up in the 90’s. I wasn’t sure if we would ever get back together. That was a hard time for sure.

Como é tocar por mais de 20 anos na mesma banda?
É como respirar, é a minha vida e ela é ótima!I

It’s like breathing. It’s my life and life is great!

Você tem contato com ex-membros do ST?
Eu esbarro com eles de tempo em tempo. Continuam amigos. Caras legais.

I run into them from time to time. Still friends. Cool guys.

Você concorda que o Suicidal tem fãs tão fiéis por considerarem a banda algo muito além da música?
O que eu amo sobre os nossos fãs é que eles entendem de onde nós viemos. Então, sim, é mais de um estilo de vida e nós somos uma família.

The thing I love about our fans is that they understand where we are coming from. So, yes, it is more of a lifestyle and we are family.

Os fãs do Suicidal sempre falam muito bem de você. Por que?
Eu não encaro nossos fãs como fãs. Mas mais como alguém com quem você sairia para se divertir, ou estar em casa entre amigos. Então é fácil de estar junto deles. É legal sair com eles em suas cidades. Você aprende muito e conhece algumas pessoasl realmente legais.

Mais que um guitarrista, um símbolo do ST

Guitarrista e símbolo do ST

I don’t really look at our fans as fans. But more like someone you would hang out with or be friends with at home. So it’s easy to get along with them. It’s cool to hang out with them in their homeland. You learn a lot and meet some really cool people.

Qual o futuro do Suicidal?
O futuro parece ótimo para o Suicidal! Nós temos muitas coisas para o ano que vem. Estamos muito animados com tudo isso.

The future looks great for Suicidal! We have a lot of things coming up next year that we’re very excited about.

5 Comentários

Arquivado em ST for Life

5 Respostas para “Entrevista – Mike Clark

  1. Que massa! Brother Clark aceitou a entrevista, acho ele o mais carismático da banda.
    Valeu André, obrigado também por postar minha animação aqui!

  2. Outra bela entrevista. Respostas mais burocráticas… o fato de ele ainda estar na banda coloca panos quentes na parada!

    Parabéns André!
    Falta quem agora? Rocky George? Trujillo? Herrera? Brooks? Márcio Muir?

    Que tal tentar umas palavras com o Jim Muir?
    Mantenha o belo trabalho.
    dude cycool drumma sk8 radical.

  3. MAK

    O fato dele ser um membro da banda, fez com que a entrevista ficasse morna, sem grandes novidades.

    Parabéns cara é isso aí, muita coisa boa no seu “blog”.

    Stay Cyco.

  4. Marcelo Gomes

    Cara que massa!
    o cara é gente boa mesmo, no show do ST em brasilia me deu a palheta que guardo aqui comigo!!!!!!!!!!

    Cyco 4 life!

  5. jow

    hey joe i really like this website do you have any live videos from the lights camera revolution tour would love to see that?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s