Arquivo da tag: California

Flashing Pictures – 25

Encontrei a foto abaixo em uma das minhas andanças pelo Facebook. Não sei se há alguma relação mais próxima do Suicidal além do chapa com o boné clássico da banda. Mesmo assim, decidi publicar pelo “clima” do registro.

A foto é excelente. Todo mundo posando, mas com uma pegada naturale. Ainda contamos com alguns personagens interessantes. A começar, claro, pelo Cyco mandando um hang loose e ostentanto um belíssimo bigode “primeira leva”.

Tem também o malandrão com a mão no queixo e o chapa com o igualmente clássico boné dos LA Dodgers. Ainda temos a loirinha de óculos saída de algum filme americano da Sessão da Tarde. Por fim, no canto direito do click, há um misterioso maluco de bandana.

Anúncios

8 Comentários

Arquivado em Flashing Pictures

Flashing Pictures – 24

Diretamente do início dos anos 80, registro lendário. Não sei se a rapaziada aí abaixo (num style “California Dreamin” subversivo sensacional) tem alguma conexão direta com o Suicidal, mas são grandes as chances. No muro, podemos ver algumas marcas da banda: caveira com o ST, tag dos Cycos mais acima, mais um ST grandão atrás da molecada e, de quebra, um “Venice Gang” pra companhar.

3 Comentários

Arquivado em Flashing Pictures

Na companhia do Satanás

* with english version below.

Uma curiosidade enviada pelo amigo do blog Emilio Murata. Mike Muir apresentando um show do Slayer em Reseda, na California, em 1984. De bandana, camisa xadrez estilo Pendleton, ele surge rapidamente e chama ao palco os futuros reis do trash metal — não saquei o que Muir disse, algo como “Suicidal-Slayer”.  Clique AQUI para assistir.

Muir antes do inferno tomar conta do palco em Reseda

Aliás, essa camaradagem não foi a única relação entre as duas bandas. Na mesma época, os guitas Rocky George e Jeff Hanneman, mais o batera Dave Lombardo, já haviam tocado juntos em uma banda punk chamada Pap Smear — projeto paralelo dos dois integrantes do Slayer.

O único registro que eu conheço do grupo está no álbum de covers Undisputed Attitude, lançado em 1996 pela rapaziada liderada por Tom Araya. E aí surge outra relação entre essas duas entidades do rock californiano.

Rocky e outro mito da guitarra: Kerry King, do Slayer.

Memories of Tomorrow, dos Cycos, era para ter entrado no disco, mas acabou incluída apenas em uma edição japonesa. Não preciso nem recomendar, certo? Quem quiser baixar, é só chegar aqui.

Por fim, conforme lembrou muito bem o camarada Tiago Cambara nos comentários, rolou também uma participação na direção contrária: um membro do Slayer marcando presença em um clipe do ST — em grande estilo, por sinal.

No absolutamente clássico video de Institutionalized, Tom Araya dá um chega pra lá em Mike Muir logo no comecinho (o:36). Cabeleira sensacional, estilão trasher, coisa fina.

O empurrão de Araya em Muir observado por Glen Friedman, à esquerda.

***************************************

Here is another curiosity about ST, sent me by Emilio Murata. You can see Mike Muir presenting a Slayer gig in Reseda, California, back in 1984. Wearing a bandana and a Pendleton shirt, he suddenly appears on the stage and call the future masters of trash metal. I couldn’t really understand what Muir said, maybe it was “Suicidal-Slayer”, but it doesn’t matter. Click here to watch this.

By the way, this partnership wasn’t the only relation between the two bands. Back then, the guitar players Rocky George and Jeff Hanneman, plus the drummer Dave Lombardo, had played together in a punk band called Pap Smear — a solo project by both Slayer members.

As far as I know, there are only two songs tapped and can be found on the cover’s album Undisputed Attitude, wich was released in 1996. And is where you can find another fact linking those two monsters of californian rock. Cyco’s Memories of Tomorrow was supposed to released among the song of the album, but was included only in a japanese edition. I don’t have even the need to recommend it for you, so download it here.

1 comentário

Arquivado em ST for Life

Catalyst, 14 nov

Já me perguntaram qual o motivo para eu praticamente não publicar material recente do ST (notícias, entrevistas, vídeos etc). Primeiramente, é bom deixar claro que continuo gostando da banda em seus dias atuais. Mas prefiro fuçar no que não está disponível, não foi bem explicado, ninguém deu muita atenção. É por aí…

Feito o esclarecimento,  vou então contrariar a “regra”. Videos de um show recentíssimo do Suicidal, realizado no último sábado, dia 14, no clube Catalyst, em Santa Cruz, California. Dica do camarada Marcelo Gomes.

Ainda não tinha visto o batera Erico Moore em ação. O cara é um monstro mesmo, além de uma figuraça. Paradão na banqueta, Moore mexe os braços como um polvo. Destaque para ele saindo de trás da bandeira (sensacional) com a caveira da capa de Come Alive ao entrar no palco.

Posto aqui dois vídeos. No primeiro, a abetura tradicional, com You Can’t Bring Me Down.  E o segundo, da minha música preferida, Subliminal. Tempo mais do que suficiente para reparar como o ST está mais vivo do que nunca.

Quem quiser conferir mais dessa apresentação do ST fresquinha, basta seguir os links abaixo:

Ain’t Gonna Take It

War Inside My Head

Send Me Your Money

Come Alive

Possessed To Skate

Feel Like Shit… Deja Vu

Cyco Vision

I Saw Your Mommy

BÔNUS

Indicado nos comentários pelo xará André Fiscina, segue um link para baixar um show do ST na Espanha, também de 2009, puxado do blog DarkBattM14’s Videos.

RAPIDSHARE

3 Comentários

Arquivado em ST for Life

Entrevista – Mike Clark

Mais um Cyco pintando no blog.  Depois de Louichi Mayorga e Amery Smith, é a vez de Mike Clark, em nova entrevista exclusiva.  Falei com Clark por email, depois de um pedido de contato à assessoria da banda. Enviadas as perguntas, uns dias depois vieram as respostas, há duas semanas.

O guitarrista passou a integrar o Suicidal em 1988, vindo de outra banda de Venice, o No Mercy, que havia contado com a camaradagem de Mike Muir pouco antes.  Sua primeira participação foi no álbum How Will I Laugh Tomorrow. De lá para cá, são mais de 20 anos com o ST – descontando o período de recesso.

Tanto tempo fez de Clark um símbolo do grupo tão importante quanto Mike Muir. Dá para dizer que ele é, atualmente, o fiel escudeiro do vocalista. Sempre paramentado com as marcas do ST, de uns tempos para cá é ele quem agita os fãs,  realmente representa a banda.

Sem contar, é claro, da categoria com o instrumento nas mãos. Desde o início atuando como segundo guitarrista, Clark é responsável por uma infinidade de riffs clássicos. Fez base para o lendário Rocky George e já algum tempo arrepia com Dean Pleasants.

Como já virou padrão, fiz uma tradução livre das respostas, publicadas também em inglês.

Onde você nasceu?
UCLA Medical Center, Los Angeles, California.

O ST tem uma forte relação com Venice e, principalmente, o skate. Você tem essa mesma ligação?
Eu cresci em Venice e skate toda a minha vida.
I was raised in Venice and skateboarded all my life.

Como você entrou para a banda?
Eu tive amigos com Mike Muir a maior parte da minha vida. Eu estava em uma banda chamada No Mercy, no meio dos anos 80. Nós precisávamos de um novo vocalista e Mike nos ajudou, cantando para nós. Nós acabamos fazendo um disco chamado Widespread Bloodshed. Isso foi ótimo. Infelizmente, a banda acabou. E felizmente, para mim, o Suicidal procurava um segundo guitarrista. Mike me chamou e eu estou na banda desde então.

Clark, com o papel vermelho no boné, ainda no No Mercy, na época do lançamento da coletânea Welcome to Venice

Clark, com o papel vermelho no boné, ainda no No Mercy, na época do lançamento da coletânea Welcome to Venice

I’ve been friends with Mike Muir most of my life. I was in a band called No Mercy in the mid 80’s. We needed a new singer, and Mike helped us out and sang for us. We ended up making a record with him, called Widespread Bloodshed. It was great. Unfortunately the band broke up. Fortunately for me, Suicidal was looking to add a second guitarist. Mike called me and I’ve been in the band ever since.

A banda sempre foi associada às gangues de Venice. Em algum momento, houve uma relação direta?
Em Venice, todos os skatistas, surfistas e membros de gangues se vestem muito parecidos. Nós estávamos todos dentro da cena surf e skate, e era assim que nós nos vestíamos. Quando você tem um grupo de pessoas que se parecem de certa maneira, as pessoas se assustam e supõem que é uma gangue. Nós somos o Suicidal. Nós somos de Venice.

In Venice, all the skaters, surfers and gangsters, all dress pretty much the same. We were all into the surf, skate scene and that’s how we dressed. When you get a bunch of people together, that look a certain way, people get scared and assume you’re a gang. We are Suicidal. We are from Venice.

Qual o seu melhor momento no ST? E o pior?
São muitos bons momentos. Muitos bons shows para escolher apenas um. Então eu apenas direi dessa última turnê na Europa. Alguns ótimos momentos no palco. Eu fico realmente orgulhoso dos meus colegas de banda. Eles são ótimos!
O pior foi quando nós encerramos nos anos 90. Eu não tinha certeza se nós voltaríamos juntos. Foi um tempo difícil, com certeza.

Mike, anos 90 style

Mike, anos 90 style

So many good times. So many good shows to count just one. So, I’ll just say this last tour in Europe. Some great moments on stage for me. I was really proud of my band mates. They were great!
The worst was when we broke up in the 90’s. I wasn’t sure if we would ever get back together. That was a hard time for sure.

Como é tocar por mais de 20 anos na mesma banda?
É como respirar, é a minha vida e ela é ótima!I

It’s like breathing. It’s my life and life is great!

Você tem contato com ex-membros do ST?
Eu esbarro com eles de tempo em tempo. Continuam amigos. Caras legais.

I run into them from time to time. Still friends. Cool guys.

Você concorda que o Suicidal tem fãs tão fiéis por considerarem a banda algo muito além da música?
O que eu amo sobre os nossos fãs é que eles entendem de onde nós viemos. Então, sim, é mais de um estilo de vida e nós somos uma família.

The thing I love about our fans is that they understand where we are coming from. So, yes, it is more of a lifestyle and we are family.

Os fãs do Suicidal sempre falam muito bem de você. Por que?
Eu não encaro nossos fãs como fãs. Mas mais como alguém com quem você sairia para se divertir, ou estar em casa entre amigos. Então é fácil de estar junto deles. É legal sair com eles em suas cidades. Você aprende muito e conhece algumas pessoasl realmente legais.

Mais que um guitarrista, um símbolo do ST

Guitarrista e símbolo do ST

I don’t really look at our fans as fans. But more like someone you would hang out with or be friends with at home. So it’s easy to get along with them. It’s cool to hang out with them in their homeland. You learn a lot and meet some really cool people.

Qual o futuro do Suicidal?
O futuro parece ótimo para o Suicidal! Nós temos muitas coisas para o ano que vem. Estamos muito animados com tudo isso.

The future looks great for Suicidal! We have a lot of things coming up next year that we’re very excited about.

5 Comentários

Arquivado em ST for Life