Arquivo da tag: Mayorga

Flashing Pictures – 11

Se já não bastasse o problema no braço, que praticamente me impede de escrever (vai só com a direita), meu notebook pifou e com ele foi todo o meu arquivo do ST — era esse o “problema técnico”.  Mas tenhamos calma, o conteúdo do hd será recuperado. Enquanto isso não acontece, vou com o que tem neste computa. Vambora…

Pra recuperar o tempo perdido, uma série espetacular…

24suicidalComo está na legenda, ST em Montreal (!!), em 1985. Reparem no visual de Papa Muir. Cabelinho curtindo um mullet, bandana clássica e uma berma xadrez que com menos três dedos de comprimento daria uma belíssima samba-canção. Sem contar a pinta, meio borracho.27suicidalAqui temos todos os Cycos.  Rocky esmerilhando na guita lá no fundo, sempre de preto, e já com o boné do Pittsburgh Pirates colado na cabeça. Na batera, só pode ser o RJ Herrera, embora não pareça muito, apesar da regatinha branca colada, marca do chicano das baquetas. E no baixo, Louichi Mayorga, de brinco maroto na orelha.

29suicidalUm pouco da audiência do show, predominantemente punk. Local excelente, uma sala qualquer, cortinas ao fundo, palco inexistente. Destaque para a camisa do Suicidal versão Possessed to Skate.

Como está marcado, as fotos são do site Rebel Rebelle.

1 comentário

Arquivado em Flashing Pictures

Entrevista – Rick Battson

Mais uma entrevista para o blog. Desta vez, Rick Battson. Guitarrista, 44 anos, ele fez parte do Suicidal entre o final de 1981 e 82. Falou comigo por email, diretamente de Westchester, California. Segue naquele mesmo esquema de sempre Publicada em inglês, para quem manja, e traduzida livremente para o português (e quem tiver alguma correção é só falar).

Como você entrou para a banda?
Acho que o Amery (Smith) falou sobre mim para eles. Minha primeira banda foi com ele e o Bob Heathcote, que também tocou com o ST em outro momento.

I think Amery told them about me. My first band was with Amery and Bob Heathcote who also played in ST at a different time.

Battson, na guitarra, e Muir no início dos anos 80

Battson, na guitarra, e Muir, no início dos anos 80

Qual foi o seu melhor momento com o Suicidal? E o pior?
Um pouco dos dois. Nós tocamos em uma confusão em Huntington Park. Nós estavávamos tocando com o The Exploited, o clube tinha capacidade para 700 pessoas, algo assim, e tinha entre mil e 1.500 pessoas tentando entrar. A polícia chegou quando nós estávamos tocando e disse para parar ou iam levar todos para a cadeia e o equipamento seria apreendido. O estojo de bateria, onde estavam as chaves da Picape Chevy quatro-portas do pai do Amery, foi roubado. Então nós tivemos de empurrá-la para baixo no beco. Tiramos as camisetas e tentamos nos misturar com os locais, porque os Cholos estavam esfaqueando pessoas que se parecessem com punk rockers. A irmã do Amery, Dominy, finalmente trouxe as chaves, mas nós acabamos atingidos pelos cacetetes dos policiais. Foi uma loucura.

A little bit of both. We played a riot in Huntington Park.We were playing with The Exploited. The club could hold like 700 or something like that, and there was like 1.000 or 1.500 trying to get in. Police came in while we were playing and said stop or we were going to take everyone to jail and are gear would be impounded. We got the drum case with the keys to the big 4 door Chevy Pickup Amery’s dad had stolen. So we had to push it down the alley, take are shirts off and try to blend in with the locals, because cholo’s were stabbing people that looked like punk rockers. Amery’s sister, Dominy, finally brought the keys. But we got hit by nightsticks by the cops. It was insane.

O Suicidal sempre foi associado à gangues. Em algum momento, existiu uma relação direta?
Talvez algumas pessoas possam ter tido amigos que estavam agitando, mas eu não sei.

Maybe some people might have had friends that were bangin but I don’t know.

Por que você deixou o ST?
Eu fui idiota. Pensava que ninguém apreciava a minha musicalidade. Eu pensava que as pessoas estavam lá para “bash someone’s face in” (?). O Grant (Estes) aprendeu a minha demo e gravou o disco. Bem, às vezes as coisas acontecem assim. Foi muito divertido, toquei em alguns shows loucos.

I was stupid. I thought nobody appreciated my musicianship. I thought the people were there just to bash someone’s face in. Grant learned my demo then recorded the record. Oh, well, that how it goes sometime. It was super fun, played some crazy shows.

Atualmente, você tem alguma relação com integrantes da banda?
Estou numa boa com Muir. Eu falo com o (Mike) Clark todo o tempo e sou amigo do Dean (Pleasants). Um dos meus melhores amigos é o Roberto Trujillo.

I’m cool with Muir. I talk to Clark all the time and I’am friends with Dean. It’s all good. One of my best friends is Robert Trujillo.

Battson (à direita de Mike Clark) nos bastidores de um show do ST

Battson (à esquerda de Mike Clark) nos bastidores de um show do ST

O que você faz atualmente?
Eu tenho um estúdio e sigo tocando guitarra todo dia. Eu nunca parei. Estou afim de tocar numa banda legal. Eu tenho gravado com o Amery e Louie (Louichi Mayorga) um pouco. Eu surfo e amo a vida.

I have a studio and still play guitar everyday. I never stopped. I’m down to play in a cool band. I have been recording with Amery and Louie a bit. I surf and love life.

6 Comentários

Arquivado em ST for Life

Tá tudo em casa…

Rapaziada que está chegando aqui em busca de atualizações, take it easy! Manterei o ritmo de atualizações diárias,  como de costume. Estou só dando um tempo a mais para a entrevista com o Louichi Mayorga, logo abaixo. Merece, certo?

Aproveito para agradecer os vários comentários dos últimos dias. Franco, Guilherme, Tiago Puppi, Dude, George, Madruga e Suicidal Maniac. Valeu mesmo! Aliás, Puppi e Madruga solucionaram o enigma (pra mim, pelo menos) do bonézinho do Rocky George. Isso vai virar post!

Deixe um comentário

Arquivado em ST for Life

Entrevista – Louichi Mayorga

Depois de quase dois meses de insistência, finalmente o Louichi Mayorga, um dos primeiros baixistas do Suicidal, respondeu às minhas perguntas. Durante todo esse tempo, ele foi sempre camarada nas trocas de emails, mas se dizia ocupado. Enfim, valeu a pena esperar.

Sumidão da mídia há muito tempo, ainda morando em Venice, Mayorga deu uma geral nos tempos de ST. Ele foi o titular das quatro cordas de 1982 a 1987, gravou o álbum de estreia e o Join the Army. Falou do começo da banda, da relação com as gangues locais e detonou Mike Muir quando perguntado sobre a sua polêmica saída do grupo.

Nos últimos anos, deu uma de “manager” no lançamento da segunda versão da coletânea Welcome to Venice. (compre aqui). Reuniu também os ex-ST Grant Estes e Amery Smith, que com Muir gravaram o primeiro disco, para formar uma nova banda, chamada AgainST.

Optei por publicar as respostas dele em inglês, para a rapaziada que é ligeira no idioma possa captar exatamente o que o Mayorga quis dizer. Mas fiz uma tradução livre para a turma que não manja muito. Aproveitem!

Você sempre morou em Venice?
You asked about living in Venice. I was born in Santa Monica, because Venice didn’t have a hospital. Lived in Venice for like six years, them my dad bought a house in Santa Monica, because it was too dangerous where I was living. I had a brother in a gang Venice 13 (V13), so I grew up near the beach in SM. It was full of artists and skaters (all Dogtown), surfers and this was seven blocks away from Venice. I later moved back to Venice when I joined Suicidal. I just turned 18.

Você perguntou sobre viver em Venice. Eu nasci em Santa Monica, porque Venice não tinha um hospital. Vivi em Venice cerca de seis anos, então meu pai comprou uma casa em Santa Monica, porque era muito perigoso onde morávamos.  Eu tive um irmão na gang Venice 13 (V13), então eu cresci perto da praia em SM. Era cheio de artistas, skatistas (todos Dogtown), surfistas, era a sete quadras longe de Venice. Depois eu me voltei para Venice quando entrei para o Suicidal. Eu tinha acabado de completar dezoito anos.

Infância em Santa Mônica

Infância em Santa Mônica

Como você entrou no Suicidal?
I was in a long line for first year of college and Mike was in front of me in line. We started talking and he said he was looking for a bass player for his band. I recently heard about them. I remember his main question was “can you use your fourth finger?” and I said yah. So I went and tried out. I knew I had the job as soon as I started playing.

Eu estava em uma fileira (?) do primeiro ano de segundo grau e Mike estava na minha frente. Nós começamos a conversar e ele me disse que estava procurando um baixista para sua banda. Recentemente eu havia ouvido falar sobre ele. Eu me lembro que sua principal pergunta foi “você consegue usar seu quarto dedo?” e eu disse que sim. Então eu fui e tentei. Eu sabia que consegui o emprego logo que comecei a tocar.

O ST é sempre associado às gangues. Em algum momento chegou a existir uma relação direta?
Yah! We had family and friends in the gangs (V13), so we dressed our certain way like the homeboys did and like our older brothers. Cause they would of laughed at us, if we looked like punkers. They probably would of called us “wanna be white boys”, like goofy, with mohawks and piercing and just looking “cochinos”.

Nós tivemos família e amigos em gangues (V13), então nós nos vestimos em certo modo como os homeboys e como nossos irmãos mais velhos. Porque eles iriam rir se nós nos parecêssemos como punkers. Provavelmente, eles iriam nos chamar de “metidos a garotos brancos”, como goofy, com moicanos e piercing e apenas parecendo cochinos.

Qual foi o seu melhor momento no grupo? E o pior?
The best time I had was seeing our Institutionalized video on MTV. And my worst moment, of course, was Mike kicking me out of the band. He said my playing got worse and I wasn’t good anymore. What an asshole. How does someone get worse at their instrument?

O melhor momento eu tive ao ver nosso clipe de Institutionalized na MTV. E o meu pior momento, claro, foi quando Mike me chutou fora da banda. Ele disse que eu estava tocando pior, que eu não era bom mais. Que asshole! Como alguém consegue ficar pior em seu instrumento?

Na Alemanha com o ST em 1987

Na Alemanha com o ST em 1987

Por que você deixou o Suicidal? É verdade que você foi demitido pelo Mike Muir?
Turned out, one of the reasons, I think he wanted me out was he had a lot of money of mine. I didn’t know about. I didn’t know till later. I had to sue him to get my money back, about 100 thousand dollars. He thought I would never find out about the money. Cheap bastard.

Uma das razões, eu penso que Mike queria que eu saísse porque estava com um monte de dinheiro meu. Eu não sabia disso. Não soube durante muito tempo. Eu tive que processar ele para ter meu dinheiro de volta, cerca de 100 mil dólares. Ele pensava que eu nunca iria saber do dinheiro.

Atualmente, você tem relação com algum membro da banda?
I have no relationship with Muir. But I talk to everyone else. I just played the other night with Mike Clark at a club. We did all songs from first record. Last week recorded with Amery Smith. So I’m in touch with everybody.

Eu não tenho nenhum tipo de relacionamento com o Muir. Mas eu converso com qualquer outro. Eu toquei com o Mike Clark em uma noite dessas. Nós tocamos todas as músicas do primeiro disco. Semana passada gravei com o Amery Smith. Então eu estou em contato com todo mundo.

Vi uma foto sua com o Jay Adams. Ele fez parte dos Suicidal Boyz, certo?
Yah! I just talked to Jay Boy yesterday. He is doing good four years sober. We both lost a good friend Paul Cullen, a Z-Boy too. He was really bummed.

Sim! Eu falei com o Jay Boy ontem. Ele está bem, quatro anos sóbrio. Nós perdemos um grande amigo, Paul Cullen, um Z-Boy também. Ele estava muito deprimido.

O lendário skatista Jay Adams e Louichi

O lendário skatista Jay Adams e Louichi

Recentemente, você formou o AgainST com o Grant Estes e o Amery Smith, também ex-membros do Suicidal. Como foi essa experiência?
I’m trying to get something going with AgainST right now. But we all have different schedules. Who knows, maybe we’ll get a CD out!

Estou tentando conseguir algo com o AgainST agora. Mas nós temos horários diferentes. Quem sabe, talvez nós lancemos um CD.

O que você faz atualmente?
I struggle with bills, of course. I have a four year old daughter and I’m getting to release another Welcome2Venice CD!

Eu luto contra as dívidas. Tenho uma filha de quatro anos e estou conseguindo o lançamento de outro CD de Welcome2Venice.

Louichi (primeiro à esquerda) e família em Venice

Louichi (primeiro à esquerda) e família em Venice

13 Comentários

Arquivado em ST for Life

Lights… Camera… ST! – 3

Um dos videos mais antigos do ST, de 1984, segundo o responsável pela postagem no youtube. O clássico I Saw Your Mommy executado num palco de médio porte, som razoável. Destaque para a rapaziada tomando conta da cena, suicidalz, punks, homeboys, skatistas etc.

Vale ressaltar também a performance de Muir, molecão “possessed”, presença que acabou consagradada. Tem também John Nelson degustando a guita, num solo a la Hendrix, sem fazer feio ao gênio. Completam o grupo o batera Amery Smith, e o seu kit diferenciado, mais Louiche Mayorga, perdido no meio da crowd.

Captei alguns “melhores momentos” pra vocês sentirem o drama.

Mike e sua camiseta clássica

Mike e uma ST-shirt clássica

Louiche Mayorga, de costas

Louiche Mayorga, de costas

Jon Nelson e a bandana inseparável

Jon "Hendrix" Nelson

Amery e a batera diferente

Amery e a batera diferente

Deixe um comentário

Arquivado em Lights, Camera, ST!

Flashing Pictures – 5

Outro promo, da mesma série de fotos do primeiro (logo abaixo). Mas com a marca da Caroline Records, a subsidiária da gravadora Virgin responsável por colocar pela primeira vez o Join the Army nas prateleiras. Parece ser no quarto de alguém. Quem sabe, do Mike Muir, pelos shapes na parede. Imagino que em 87, Jim “The Red Dog”  Muir, irmão do Mike e skatista profissional, já deveria ter a Dogtown Skates, e aí tudo faz sentido.

promo3

Mais uma vez, pinta o garrancho do Louiche Mayorga, destaque da foto, com um sorriso marotaço. Mike e Rocky contidos. Pena que o batera RJ Herrera (dono do estilo chicano mais arisco da banda, como ainda vamos conferir) tenha sumido do registro, graças ao flash utilizado no momento de tirar a foto da foto.

2 Comentários

Arquivado em Flashing Pictures

Flashing Pictures – 4

Além das fotos, vou publicar por aqui alguns promos que eu descolei do ST. Acredito que esse tipo de divulgação por parte das gravadoras nem exista mais, em tempos de internet. Uma pena, pois era bacana. Além da promoção, valia como artigo para colecionar, de preferência, com uma “firma” dos ídolos.

promo2

Esse é da época do Join the Army, tem o selo da gravadora Virgin no canto baixo direito. Do ladinho, está “4/87”, que só pode ser a data. Destaque para o autógrafo do Louiche Mayorga. Além, é claro, do ST explodindo em chicano-gang-cholo-style. Flannel shirts, bonés com a aba virada etc. E aproveitando a primeira aparição do mítico Rocky George no blog, lanço um dos maiores mistérios da humanidade: o que significa o “P” no bonézinho que é clássico do guitarrista?

3 Comentários

Arquivado em Flashing Pictures