Arquivo do mês: agosto 2009

Crips e Bloods

É outra área, distante de Venice, mas vale a queda. Deixando o Suicidal um pouquinho de lado, mas não muito, quem curte os temas abordados nos últimos posts não pode deixar de conferir o documentário “Crips and Bloods: Made in America”, do ex-skatista Stacy Peralta.

Em uma hora e meia de filme, o lendário membro da rapaziada Dogtown dá uma geral caprichada nessas duas gangues, as mais representativas dos Estados Unidos. E assim, por tabela, nos faz sacar um pouco do cenário sempre fervilhante de Los Angeles, lar do ST.

Abaixo, algumas capturas que fiz do filme e dois links para quem, como eu, não aguenta esperar a chegada da peça ao Brasil (ambos não têm legendas).

Link 1: 2shared Link 2: Megaupload

ScreenShot003

ScreenShot002

ScreenShot001

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em ST for Life

ST, gangues, violência – a série 4

Esse é talvez o episódio mais polêmico envolvendo o Suicidal e, possivelmente, a origem de boa parte das controvérsias que envolveram a banda e violência. Uma matéria da revista Penthouse, publicada na edição de fevereiro de 1982.

A capa da polêmica edição

A capa da polêmica edição

Nela, um tal de Mike Suicide é o personagem principal. Um sujeito insano, brigão, que tinha como passatempo predileto espancar pessoas em shows de punk rock. Aí vem a polêmica…

O tal Mike Suicide, não é difícil supor, seria Mike Muir, retratado pelo olhar do repórter Robert Keating, na reportagem intitulada “Slamdancing in a fast city”. E por que o “seria”? Porque, embora apareça em uma das fotos, de camisa com uma suástica e nariz arrebentado, Muir nega firmemente ter cometido as barbaridades descritas no texto.

Muir na foto da Penthouse

Muir na foto da Penthouse

Dessa forma, fica a palavra de um, contra a palavra do outro. Como disse das outras vezes, pode ser tudo, pode ser nada. Abaixo, transcrevo toda a parte em que o Mike Suicide aparece. Logo depois, as duas primeiras páginas da Penthouse. E, por fim, a explicação de Muir sobre a questão em uma entrevista no mesmo ano.

******************************

SLAMDANCING IN A FAST CIY
By Robert Keating

Call them creeps, street survivors, skinheads, or slammers. In today’s explosion of post-punk violence, L.A. teenagers are no longer playing end games – for them the apocalypse is now.

Mike’s Suicide got a narly sweat. After clearing the dance floor at the Starwood, he stands in the middle, looking for someone else to hit. It’s hot as hell. The club’s packed tonight – with boys, mostly. Boys wearing leather and chains. Torn jeans. Or maybe a Scottish kilt. Bandanas are tied low on black motorcycle boots. Some boys have Mohawks. Blue, green, orange, spiked hair. And crew cutts. Tonight packed into a room of pounding music, there are crew cuts everywhere. You’d think half the punks in Hollywood were here. Even so, for ten feet on all sides of Mike Suicide, there’s no one left to hit. So as the band ends this song, he moves back into the pack of bodies that had formed the circle. A kid steps up and asks Mike why he threw that one guy into the wall across the room. “What did that guy do?” demands the kid, maybe twelve with blue hair and a beer belly. Mike ignores him. The guy he threw is Mike’s best friend. His next-door neighbor.

“When I go out there” says Mike, “I go crazy. I don’t care. I just want to fuckin’ kill somebody.”

Mike Suicide’s a surf punk. A skinhead. A creep. A survivor. He says he’s a Fascist. Built like a highscholl linebacker, with his head practically shaved, he’s one of the new breed of Los Angeles punks. Tough, athletic kids from outer areas. Orange County, the Valley and beach communities, along the coast. They’ve arrived in Hollywood to announce the end of punk rock. A punk Dämmerung Tuesdays at the Starwood are their favorites nights. A fortresslike club that takes up an entire corner of Santa Monica Boulevard, surrounded by nude shows, male prostitutes, and porn shops down in West Hollywood. During concerts the courtyard and street outside resemble a backlot for a sci-fi flick. Not everyone who is seen at these gatherings is a creep or a survivor. Many just go to see the show and get caught up in the action.

Tonight, on stage, China White is playing. Loud heavy metal rock. The human ring that collapsed under the pressure of the crowd forms again. And two skinheads, with their T-shirts dangling like tails from their belts, skank onto the floor. They’re bent forward at the waist, arms swaying front and back at their sides. Cruising, heads up, looking for comers. And one by one they come, these boys. Maybe fifty of them in T-shirts, motorcycle jackets, or bare-chested in the sweltering heat. All bent forward at the waist, jerking their arms up and over their heads, spinning in time with the music. There are knees and elbows everywhere.

It’s called skanking. The HB Strut. Slamdancing. It’s a cross between a cockfight and the Roller Derby. Bodies bash and twist and smack and jam together. The contact is stinging. The dancers wear a lot of scars. And the energy in this pit of flesh and sweat is brutally sexual, though few of them will admit it.

“When I go out there.” explains Mike Suicide, “I just knock people over. I do one, two, three-person next me, throw ‘em. Spin around, hit elbows. Stop. Person. Throw ‘em outa the way. And pretty soon you’re by all by yourself.”

Mike’s elbows have bumps all over them from hiting so many people. He thinks they’re “permanently, totally deformed”. “When he gets home after a night of slamming, they’re swollen and blue. The next day he can’t bend them. And every once in a while he has to get blood drained out of them. Mike’s nose has been broken eight times.

“You’re not going out there to fucking have a party”, he reasons. “You’re gonna hurt someone and you know it.”

Tonight, between sets, a voice on the public address asks. “Keep violence to a minimum”. Still, a fight breaks out between two groups of skinheads on the floor. The music stumbles to a stop. And the lead singer leans forward on the stage pleading. “Fight, don’t dance”. A white spotlight is thrown on the brawl, but the bouncers manage to break it up.

During the last set, these creeps have some hippie on the floor. Before the bouncers could get to him and drag him away, a couple dozen MC boots had pretty well bloodied the kid up.

“It’s nice to have somebody down there and fuckin’ kick him and not worry about getting hit”, says Mike to a guy he lives with in a beach shack in Venice. “Once you’re on the group, you’re dead. People don’t care. They just wail away. You get courage when it’s a hundred to one.”

The two stand with their friends at the edge of the circle, scanning the pack of slammers, looking for targets. The bouncers, meanwhile, are busy trying to keep the crowd from taking stage dives. But the crowd does it anyway – climbing up and then crashing down onto a sea of heads and flailing arms before rolling to the floor. Mike spots some ass smiling and going crazy on the far side of the room. He says he doesn’t trust anybody who smiles at a gig. Mike turns to his buddies:

“You know that guy?”
“I don’t know him.”
“You know him?”
“Nope.”
“Let’s fuck him up.”

page1

page2

Para conferir as páginas em tamanho grande, clique nos números: 1 2 3 4 5 6 7

******************************

Mike Muir falando sobre o tema, em entrevista para a revista Flipside, número 36, dezembro 82:

What did you think about that Penthouse article?

Mike: It was pretty good from a fictional point of view, it was interesting but it was all lies. The magazine isn’t out there for articles, so the articles they have they have to make interesting. The stuff I supposedly said I didn’t even say, it goes right back to like that National Enquirer… and a lot of the stuff he had other people saying, I said. I was pretty funny. This guy when he first came up to me, I agreed to do it but I didn’t get paid or anything, nothing I could appreciate, when it came out it did make me look pretty bad. It was a farce. That guy went to one show and tried to be an authority. If I was reading it I’d be scared and make my kids stay at home. That was my first experience with the press, otherwise I wouldn’t have done it… it came out like over a year after that guy talked to me 0 he only came over with a little notepad so he couldn’t really quote me verbatum anyhow…

7 Comentários

Arquivado em ST for Life

ST, gangues, violência – a série 3

Relações entre o Suicidal e as gangues de Los Angeles:

3282657531_259a09e8b6_o

  • O uso do número 13, correspondente a letra M no alfabeto latino.
  • A utilização da cor azul nas bandas e roupas da banda, a mesma de Crips e Sureños.
  • Muir teve o nariz quebrado 9 vezes. Em algumas delas, em circunstâncias pra lá de estranhas…
  • O modo de vestir dos integrantes, idêntico ao de Cholos e Vatos, duas gangues de latinos de LA.
  • O irmão de Louichi Mayorga, Steve, era integrante da gangue Venice 13.
  • A aparição do “palhaço mal” (“evil clown”) em material da banda e no clipe de How Will I Laugh Tomorrow, símbolo dos Sureños.
  • O fato de que entre 1987 a 1991 o Suicidal foi “banido” de Los Angeles. Decisão tomada pelo tribunal da cidade, basicamente, por conta da violência nos shows do grupo. Além disso, também foi pedida a prisão da banda.
  • Por conta de suas iniciais, MM, de Mike Muir, o vocalista teria sido protegido pela Máfia Mexicana quando jovem.

Certamente, vocês devem saber de algumas mais. Pode ser tudo, pode ser nada. A minha opinião? Coincidências, inspirações e, talvez, um pouquinho de verdade.

Deixe um comentário

Arquivado em ST for Life

ST, gangues, violência – a série 2

Na foto logo abaixo, raríssima, uma mini-reunião de alguns Suicidal Boyz, de idades variadas, como se vê. Mas pode chamá-los também de Suicide’s, Cycos ou até Suicidal Dudes — são vários os nomes para a moçada que, entre outras atividades, seguia o ST por LA partindo de Venice.

Destaque para o magrão ao centro. Calça jeans, manjada; bandana azul, também no esquema; e a camisa com o ST pintado na gola. Há ainda outro desenho, no bolso, que não dá para identificar. Sem contar o mé, discreto, na mão.

suicidalboyz

Há ainda outro personagem nessa picture, importantíssimo na história da banda. A fera de costas, de jaqueta punk e cabelo espetado, é o Ric Clayton. Ele foi o responsável por criar a letra, o estilo, o desenho da marca do Suicidal que se tornou um clássico.

Com a caneta nas mãos, Clayton também detonava nas camisas da molecada (das que aparecem na capa do primeiro álbum, boa parte são desenhos dele), uniforme quase obrigatório entre os Suicidal Boyz.  De quebra, foi baixista do No Mercy, banda de Mike Clark que contou com Muir por um breve período.

Quanto ao assunto da série, a ligação é óbvia, certo? O que rola quando junta um grupo de homens numa quebrada qualquer? Não creio que esse encontro, por exemplo, fosse para ir na missa ou estudar.

Deixe um comentário

Arquivado em ST for Life

ST, gangues, violência – a série 1

Vocês devem ter reparado. Nas quatro entrevistas que fiz com os (ex) integrantes do ST, uma pergunta se tornou “clássica”: o Suicidal sempre foi associado à gangues, em algum momento existiu uma relação direta?

Não por acaso. Isso sempre me intrigou. E cheguei  a conclusão que vai ser sempre assim. O motivo é simples: não há uma resposta definitiva. Ou melhor, boto fé que a explicação padrão do Muir para esse tipo de questão é, talvez, a mais coerente, verdadeira, enfim.

Por serem de onde são, naturalmente os Cycos acabariam esbarrando em gangues, violência e temas do tipo. E é justamente desses momentos que tratarei ao longo da semana.

A começar por um recorte de jornal bem curioso que encontrei no site Punk Records. A notícia sobre uma gangue  que apavorou uma igreja em Mar Vista, sob o nome de Suicidal Tendencies. No texto, Muir condena o vandalismo. Saquem só…

01

02

03

1 comentário

Arquivado em ST for Life

Entrevista – Rick Battson

Mais uma entrevista para o blog. Desta vez, Rick Battson. Guitarrista, 44 anos, ele fez parte do Suicidal entre o final de 1981 e 82. Falou comigo por email, diretamente de Westchester, California. Segue naquele mesmo esquema de sempre Publicada em inglês, para quem manja, e traduzida livremente para o português (e quem tiver alguma correção é só falar).

Como você entrou para a banda?
Acho que o Amery (Smith) falou sobre mim para eles. Minha primeira banda foi com ele e o Bob Heathcote, que também tocou com o ST em outro momento.

I think Amery told them about me. My first band was with Amery and Bob Heathcote who also played in ST at a different time.

Battson, na guitarra, e Muir no início dos anos 80

Battson, na guitarra, e Muir, no início dos anos 80

Qual foi o seu melhor momento com o Suicidal? E o pior?
Um pouco dos dois. Nós tocamos em uma confusão em Huntington Park. Nós estavávamos tocando com o The Exploited, o clube tinha capacidade para 700 pessoas, algo assim, e tinha entre mil e 1.500 pessoas tentando entrar. A polícia chegou quando nós estávamos tocando e disse para parar ou iam levar todos para a cadeia e o equipamento seria apreendido. O estojo de bateria, onde estavam as chaves da Picape Chevy quatro-portas do pai do Amery, foi roubado. Então nós tivemos de empurrá-la para baixo no beco. Tiramos as camisetas e tentamos nos misturar com os locais, porque os Cholos estavam esfaqueando pessoas que se parecessem com punk rockers. A irmã do Amery, Dominy, finalmente trouxe as chaves, mas nós acabamos atingidos pelos cacetetes dos policiais. Foi uma loucura.

A little bit of both. We played a riot in Huntington Park.We were playing with The Exploited. The club could hold like 700 or something like that, and there was like 1.000 or 1.500 trying to get in. Police came in while we were playing and said stop or we were going to take everyone to jail and are gear would be impounded. We got the drum case with the keys to the big 4 door Chevy Pickup Amery’s dad had stolen. So we had to push it down the alley, take are shirts off and try to blend in with the locals, because cholo’s were stabbing people that looked like punk rockers. Amery’s sister, Dominy, finally brought the keys. But we got hit by nightsticks by the cops. It was insane.

O Suicidal sempre foi associado à gangues. Em algum momento, existiu uma relação direta?
Talvez algumas pessoas possam ter tido amigos que estavam agitando, mas eu não sei.

Maybe some people might have had friends that were bangin but I don’t know.

Por que você deixou o ST?
Eu fui idiota. Pensava que ninguém apreciava a minha musicalidade. Eu pensava que as pessoas estavam lá para “bash someone’s face in” (?). O Grant (Estes) aprendeu a minha demo e gravou o disco. Bem, às vezes as coisas acontecem assim. Foi muito divertido, toquei em alguns shows loucos.

I was stupid. I thought nobody appreciated my musicianship. I thought the people were there just to bash someone’s face in. Grant learned my demo then recorded the record. Oh, well, that how it goes sometime. It was super fun, played some crazy shows.

Atualmente, você tem alguma relação com integrantes da banda?
Estou numa boa com Muir. Eu falo com o (Mike) Clark todo o tempo e sou amigo do Dean (Pleasants). Um dos meus melhores amigos é o Roberto Trujillo.

I’m cool with Muir. I talk to Clark all the time and I’am friends with Dean. It’s all good. One of my best friends is Robert Trujillo.

Battson (à direita de Mike Clark) nos bastidores de um show do ST

Battson (à esquerda de Mike Clark) nos bastidores de um show do ST

O que você faz atualmente?
Eu tenho um estúdio e sigo tocando guitarra todo dia. Eu nunca parei. Estou afim de tocar numa banda legal. Eu tenho gravado com o Amery e Louie (Louichi Mayorga) um pouco. Eu surfo e amo a vida.

I have a studio and still play guitar everyday. I never stopped. I’m down to play in a cool band. I have been recording with Amery and Louie a bit. I surf and love life.

6 Comentários

Arquivado em ST for Life

Cycettes – 2

2659638100_922cecfeb3_o

OBS 1: Em breve, nova entrevista pintando na área. Falei com o Rick Battson, guitarrista que passou pelo ST no início dos anos 80, pouco antes da gravação do primeiro álbum. Embora tenha integrado a banda durante pouco tempo, ele disse coisas bem interessantes.

OBS 2: Atualizei todos os posts com discos para download do Suicidal. Além das opções que eu já tinha colocado, encontrei outras por aí que podem ajudar.

Deixe um comentário

Arquivado em Cycettes